SEBOS & LIVRARIAS

Sou viciado em sebos e livrarias. Por onde vou, quero ser seu par. Não importa se estou chegando numa aldeia ou numa megalópole. Procuro sempre onde estão as livrarias da cidade, os sebos, muitas vezes escondidos por detrás de portinhas tortas, antigas, comidas por cupins. Seja em Tóquio, seja em Atenas. Não importa se os livros estão escritos em japonês ou grego. Fico horas observando as capas, tentando descobrir que livro era aquele de Gabriel Garcia Márquez, porque não havia nenhuma pista de ser O amor nos tempos do cólera. Na última ida a Paris, fiquei cinco horas, quase que uma tarde inteira, dentro da Fnac Fórum des Halles. E ainda não sai satisfeito porque não deu tempo de ver tudo. Na Itália, descobri La Feltrinelli, uma rede de livrarias espalhada por várias cidades. Não se trata de uma pequena livraria charmosa, pequena, aconchegante. Mas tem de tudo. Quantos livros de Pier Paolo Pasolini não deixei lá com a promessa de um dia voltar para resgatá-los? A Feltrinelli, que nos primeiros dias chamávamos de “Fantrinele”, virou um vício porque todo dia tinha uma novidade. Foi numa delas que achei, escondidinho, o livro 1968, de Oriana Fallaci, por exemplo. Em São Paulo, sou viciado na Livraria da Vila. Depois de mais de três meses sem ir lá, estou combinando de amanhã cedo ir. Num primeiro momento, estou pensando em deixar o cartão de crédito em casa.

  1. Porta interna da livraria La Feltrinelli, em Roma

2. O amor nos tempos do cólera, numa pequena livraria de Vryses, Grécia

[fotos Alberto Villas]

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s