ONDE ANDARÁ BEATRIZ?

Nos anos em que vivi fora daqui, em Paris, fiz muitas amizades. De gente maluca que gostava de sonhar a físicos, matemáticos e músicos que estavam ali de passagem, com o objetivo único de estudar. Muitos continuam presentes virtualmente na minha vida, curtindo e compartilhando nas redes sociais, trocando mensagens sem contato físico, mas dentro do coração. Outros, com o passar do tempo, sumiram na poeira da estrada. Nunca mais tive notícias.

De tempos em tempos, minha memória parte para o espaço sideral, em busca de lembranças, apenas lembranças que ficaram perdidas por aí.

Azeitona, por exemplo, que chegou animado em estudar agronomia e nunca estudou. Cacá, quase um monge budista que dizia estar procurando emprego, mas morrendo de medo de encontrar. O arquiteto Zé Octávio, que abandonou a portaria do Hotel de la Grece, onde trabalhava, e se juntou aos manifestantes que passaram numa ruela do Quartier Latin protestando exatamente contra o governo de Michail Stasinopoulos.

Ceará, que um dia resolveu fazer farofa com ovo, bacon e serragem, acreditando que daria certo. O gaúcho Darci, que inventou seu próprio vocabulário chamando gasolina de essência, a lixeira de pubele e o Líbano de Libão, são alguns exemplos.

E tinha Beatriz.

Beatriz era uma mineira do interior que chegou para animar a festa. Lembro-me bem que tinha onze irmãos, todos com os nomes começados em Be. Adorávamos quando ela repetia, como um narrador de turfe, os nomes de todos eles: Era Beatriz, Berenice, Bento, Bernardo, Betina, Benício, Berilo e por aí vai.

Beatriz chegou e alugou um pequeno studio num quarteirão aconchegante de Paris. Ficava no sétimo andar de um prédio sem elevador, mas o problema maior é que não tinha banho, isto é, não tinha chuveiro nem banheira. Mas Beatriz deu o seu jeito.

Arranjou um emprego de faxineira e andava pra lá e pra cá com uma sacolinha do Prisunic, com o seu kit banho: Toalha, sabonete, xampu e uma calcinha. Onde chegava, não fazia cerimônia, pedia pra tomar banho. Lá em casa já estávamos acostumados. Quando ia se despedir, perguntávamos se não ia tomar banho. Ia, claro. Ela se deliciava com aquela água quentinha para amenizar o inverno rigoroso.

Beatriz contava histórias ótimas como aquela do pai dela, mineiro metódico, que todos os dias às seis horas da manhã em ponto, pegava o regador e saia para molhar a horta, além das flores e das folhagens que cultivava no quintal de sua casa, lá no interior de Minas. Mesmo quando estava caindo um toró, o pai de Beatriz pegava a galocha, o guarda-chuva e saia com o regador para molhar suas plantas.

Beatriz falava um francês muito particular. Gostava de ensinar para os franceses as delicias da culinária brasileira: Vous prenez le feijão preto, puis vous ajouter toutes les types de viande, carne seca, paio, costelinha, orelha, rabo… E continuava. Ah, il y a aussi de la farinha de mandioca pour faire de la farofa. Ajoutez la couve refogadinha e aussi des morceuax de laranja seleta e torresmo. Os franceses ficavam com os olhos arregalados tentando entender e a gente fazendo xixi de tanto rir.

Um dia ela chegou esbaforida na nossa casa, dizendo  que estava cagada de arara! Um francês perguntou o que ela havia dito e Beatriz começou a explicar: Vous conaissez le perroquet?

De repente, Beatriz chegou com uma novidade. Estava namorando um árabe, não me lembro se do Marrocos ou da Argélia. Mustafá estava apaixonadíssimo por ela, mas tinha um problema. Não se conformava em Beatriz trabalhar fora. E a relação funcionava assim: Ele chegava do trabalho por volta de sete da noite e se ela não estivesse em casa, começava a beber cerveja.

Quantas e quantas vezes ela passou na nossa casa, tomou um banho rápido e saiu voando, porque senão ia chegar tarde em casa e encontrar Mustafá esparramado no sofá, depois de beber uma dúzia de latinhas de Kronnebourg.

A última vez que vi Beatriz foi no seu bota-fora. Prepararmos uma galinha d’Angola com couve de Bruxelas pra ela, uma despedida à altura. Até uma cachacinha mineira apareceu naquele dia. Mais uma vez rimos muito, comemos muito, nos divertimos demais e desejamos a ela boa viagem e sorte na sua volta ao país tropical.

Beatriz pegou o primeiro avião com destino a felicidade e nunca mais tive noticias. Já cansei de procurar nas redes sociais e nada. Queria vê-la nem que fosse um tiquinho, como ela dizia. Pelo menos para ela recitar o nome dos onze irmãos: Berenice, Bento, Bernardo, Betina, Benício, Berilo e por aí vai.

[Crônica da semana publicada no site da revista Carta Capital]

cartacapital.com.br

2 comentários em “ONDE ANDARÁ BEATRIZ?

  1. Estimado Alberto Villas. Sou um dos Bes, irmão de Beatriz da sua crônica “Onde andará Beatriz”. Além da identificação da foto dela com sua filha (suponho) Sara Villas, não pode ter coincidência maior haver outra Beatriz com onze irmãos cujos nomes começam com Be.
    Depois da despedida na qual você participou, ela chegou ao Brasil com um espírito revolucionário de quem estudou sociologia na França. Se encantou com o PT e se apaixonou por um fotógrafo carioca, ex-torturado da ditadura militar, comunista roxo, fundador do Jornal a Nova Democracia, onde Beatriz trabalhou até quando seu cérebro já não guardava bem as coisas. Seu companheiro disse que já pagou cachaça para o Lula nas conversas onde faziam planos de uma revolução comunista, que, com Lula presidente, não precisava ser armada mais. Mas, como a maioria dos roxos pelo vermelho, eles se decepcionaram com Lula desde a indicação de Henrique Meireles para a presidência do Banco Central.
    Como nosso pai era um mineiro metódico e muito católico, não aceitava que casal juntado ficasse na casa dele. Tentaram morar por Bambuí, mas não dava para ficar na casa do papai, fazendo campanha política para um adversário do genro candidato a prefeito. Essas diferenças políticas locais os impediram de continuar na terrinha e voltaram para o Rio de Janeiro.
    Hoje, Beatriz está em um asilo de velhinhos em São Paulo com seu companheiro de 92 anos, contando repetidamente as coisas, mas ainda com uma memória quase intacta do seu passado. Tenho certeza que lembrará de você e verá que o espirito alegre dela continua o mesmo. Fico a disposição de levá-lo lá.
    Engenheiro Bénard Torres, 11º da família dos Bes.

    1. Querido Bénard. Você não pode imaginar a emoção que tomou conta de mim, nessas primeiras horas da manhã dessa segunda-feira fria em São Paulo. Começo, a partir de agora, a acumular forças para lhe escrever com mais calma. Gostaria que você me passasse o seu e-mail ou WhatsApp, para que possamos conversar melhor. Se preferir, pode passar por inbox, via Facebook. Achará lá o meu nome com facilidade. Um grande abraço pra você.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s