QUAL É O REMÉDIO PARA COMBATER AS PRAGAS?

De uns tempos pra cá, vivemos de slogans: Onde está Amarildo? Não vai ter golpe, Somos todos Charlie, Fora Temer, Volta Dilma, Ele não, Ditadura nunca mais, Quem matou Marielle? Cadê o Queiroz?, Lula Livre. As frases se multiplicam milhões de vezes nas redes sociais e se espalham pelo Brasil afora como se fosse um mar de lama de Brumadinho que, de repente estanca, seca. Sim, essas frases são importantes para que a chama fique acesa. Não fossem elas, tudo já teria caído no esquecimento, muito mais rapidamente que possamos imaginar. Relembrando: Ninguém nunca achou o corpo de Amarildo, teve golpe, Temer só saiu na data marcada, Dilma não voltou, ele ganhou a eleição, a ditadura vai voltando aos pouquinhos, em doses homeopáticas, como se fosse tudo legítimo e dentro da Constituição, ninguém sabe quem mandou matar Marielle, o Queiroz continua sumido e Lula está preso. Nada funcionou. Não seria o caso de pensar em outras alternativas para solucionar nossos problemas? [AV]

FLORES

Crianças moçambicanas conseguiram recuperar apenas algumas flores de plástico de uma igreja na cidade de Beira, atingida ferozmente por um furação. Mais de 700 pessoas morreram na região de Moçambique, Malawi e Zimbabue.

[foto AFP]

HERÓIS

A editora Hachette lançou, na Itália, uma coleção de livrinhos infantis onde crianças narram a vida de seus heróis. Serão dezenas de livrinhos que vão ensinar aos italianinhos quem foram algumas personalidades que entraram para a História. Entre eles (veja acima) Gabriel García Márquez, Pelé, Isaac Newton e Frédéric Chopin.

[foto Reprodução]

ABISMO

Existe um abismo entre o jornalismo crítico e o jornalismo pasteurizado. Sigo atentamente o jornalismo brasileiro e o gringo, como dizem atualmente. Não vim aqui para criticar o brasileiro e elogiar o gringo, apenas para chamar a atenção para um fato. O jornalismo brasileiro, preocupado com a informação pasteurizada, informa e pronto. Depois, para fingir-se imparcial, diz em uma nota, a defesa dos citados. Se um citado disser que a terra é plana, virá apenas a informação: ” O advogado do fulano de tal afirmou que a terra é plana”. Não há contestação. Já falei disso aqui. Hoje, cito o exemplo de um noticiário de ontem, que estava em todos os jornais e telejornais, daqui e de fora. O presidente Macron, da França, disse que a catedral de Notre-Dame será recuperada em cinco anos. Nos jornais brasileiros, a notícia foi essa. Ninguém ouviu arquitetos e restauradores sobre o assunto. Ora, muitas vezes uma obra de arte de Leonardo Da Vinci leva uma década para ser restaurada. A reforma do Big Ben, em Londres (que não pegou fogo) vai durar, pelo menos, quatro anos. Como reconstruir uma Notre-Dame em cinco? Para ilustrar esse comentário, recorro-me a manchete de primeira página do jornal francês desta quarta-feira: “Cinco anos para reconstruir a Notre-Dame: Macron acredita em milagre”. É isso. [AV]

EI, SUPREMO…

Todos nós lembramos muito bem, claro que alguns se fazem de surdos, o quanto os ex-presidentes Lula e Dilma foram xingados, difamados, estilhaçados por pessoas que hoje são as responsáveis pelo desgoverno de ultra-direita que está aí acabando com o país. Havia pixulecos enormes nas manifestações, havia gritos de guerra nos estádios da Copa – “Ei, Dilma, vai tomar no cu!” -, havia a mesma Dilma em adesivos mostrando a presidenta de pernas abertas junto a tampa do tanque de gasolina dos carros, havia capas da revista Veja dizendo que a guerrilha colombiana financiava a campanha de Lula, que dólares estavam vindo de Cuba para o PT, havia todo tipo de mentira espalhada por ai e o STF ficava caladinho caladinho, como se fosse tudo muito normal, tudo muito dentro da lei, tudo natural. Bastou um passageiro ao lado de um desses ministros do STF dizer durante um voo que “o Supremo é uma vergonha”, para começar a confusão, como se fosse uma briga entre corintianos e palmeirenses. Todos eles se sentiram ofendidos e agora estamos em plena guerra, já detectando sinais claros de censura. Temos um preso político no país e, em momento algum, o STF considerou isso uma vergonha, uma injustiça. Pelo contrário.  Sabíamos que um dia essa guerra ia chegar. “Com o Supremo, com tudo”. [AV]