A FOME

Ele abre os olhos, acordado pelo barulho dos automóveis e o movimento da cidade, olha para os lados e pergunta a si mesmo, puxando o cobertor para cobrir o pescoço e descobrindo os pés sujos: Quem foi que disse que não existe fome no Brasil? O cachorro acorda a seus pés e ele tenta embrulhá-los no seu pelo quentinho. A seu lado, ainda repousam duas esfihas frias do Habibi’s, sobra das cinco de ontem à noite, oferecimento de um pedestre anônimo. Aquela bandeijinha com a logomarca do turco será o seu café da manhã, quiçá o seu almoço. As duas esfirras, come ainda deitado na sua espuma sem lençol, sequer um fio egípcio. Olha ao redor novamente, mais distante, e é só desilusão. Hora de levantar, dobrar os trapos, recolher do fio de nylon, as roupas comuns dependuradas que passaram a noite ali a secar. Estão secas e poluídas, já. Ele coloca tudo dentro do seu carrinho que um dia foi do supermercado Mambo, que fica ali perto, onde ele passa para recolher do lixo, laranjas amassadas, bananas pintadas também amassadas, papaias estropiadas. Seu trabalho nos últimos tempos tem sido catar latinhas de Cacildes, de Skol, de Brahma, de Coca-Cola, para revender por um punhadinho de reais, a coleta do dia. A cooperativa não fica muito longe de onde dorme, debaixo do viaduto João Goulart, o conhecido Minhocão. Quando vê um objeto de metal, dá um jeitinho de encaixa-lo no carrinho para receber uns trocados por ele também, numa cooperativa um pouco mais longe dali. No fim do dia, com os poucos reais nas mãos, fica à espera do pedrestre anônimo que passa com graça oferecendo algo para os moradores dali. Se ele não vier hoje, o jeito é ir até o Palmeiras Bar e Lanches e, da calçada pedir uma boa média mesmo requentada, um pão bem quente com manteiga a beça e um copo d’água, não precisa ser gelado. Pro cachorro, ele tira um pouquinho de ração do saco de dois quilos que ganhou de uma alma boa na porta do Pet Cãocun. O cachorro olha feliz e come com vontade. Por ironia do destino, o vira-lata carrega o nome de Messias.

[Alberto Villas]

Um comentário em “A FOME

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s