RODAS VIVAS

Na noite de segunda-feira (20), o programa Roda Viva, da TV Cultura, estreou sua nova âncora, a jornalista Vera Magalhães, entrevistando o ministro sabonete da Justiça Sergio Moro. Sabonete porque passou todo o tempo do programa escorregando daqui e dali. O Roda Viva tinha tudo para ser um programa chapa branca, composto por uma bancada da grande imprensa e um representando da ultra-direita, o jornalista que tem nome de colírio: Felipe Moura Brasil. A esperança estava em Malu Gaspar, repórter da revista Piauí. Mas, uma semana anos da estreia, surgiu um fato novo que bombou nas redes sociais. Inconformada com o fato de não ter sido convidada para a festa, a turma do site The Intercept Brasil (que vazou as conversas de Moro, deixando clara sua parcialidade na Lava Jato) resolveu colocar, via Youtube, sua participação no programa, comentando as falas do ministro e as perguntas dos jornalistas. Isso foi o sinal de alerta para toda a bancada que se preparava para entrevistar o ministro sabonete. Ficou claro ao ver o programa ontem, que nenhum deles estava ali disposto a passar por jornalista chapa branca. Moura Brasil não conta, faz um jornalismo que não merece ser comentado. Com isso, perguntaram sobre quase tudo: o perdão a Onyx que usou caixa 2, o silêncio em torno dos ministros acusados de corrupção, os ataques do presidente aos jornalistas, o discurso nazista do ex-secretário de Cultura, Roberto Alvin, o convite à namoradinha do Brasil para assumir a pasta, os vazamentos da Intercept, Marielle, laranjas, essas trapalhadas todas do governo de direita de Jair Bolsonaro, no poder desde janeiro do ano passado. Moro fingiu responder tudo, argumentando que nenhum desses assuntos era escândalo. Pelo contrário, tudo resolvido ou resolvendo. Quando os entrevistadores colocavam o dedo na ferida, ele saia com frases do tipo “não estou aqui para falar em nome do presidente” ou “eu não sou comentarista político”. Do outro lado, quem estava sintonizado ao mesmo tempo no Youtube, no programa do Intercept, via uma espécie de Roda Viva em Debate, mesmo que um pouco confuso, podia quase participar os comentários, os mesmos que fizemos em casa. Eles iam pontuando o que os jornalistas deixavam de perguntar, ou replicar, e o que Moro deixou de responder. Enquanto na tela da TV Cultura, víamos passar tarjas sempre elogiosas a Moro, coisas do tipo “Moro é nosso herói”, “Moro 2022”, “Nosso futuro presidente”, do outro lado, no Youtube, uma saraivada de comentários do tipo “Fora marreco de Maringá”, “Moro ladrão”, “Moro bandido”, lutando contra os robôs que insistiam em chamar os jornalistas do Intercept de esquerdistas, comunistas e observações como “vocês se fuderam”. Enfim, o Roda Viva de ontem não foi o que imaginávamos, mas também não foi o que esperávamos. Assim que Vera Magalhães deu o seu boa noite, o pessoal do Intercept fez algumas perguntas que os jornalistas não fizeram, não quiseram fazer ou se esqueceram. Coisas do tipo: “por que o senhor não quis melindrar o ex-presidente FHC?” ou “o que o senhor quis dizer com a frase in Fui we trust?” Pena que Moro, nessa hora, já fora do ar, Moro devia estar nos bastidores da TV Cultura recebendo os cumprimentos dos jornalistas. 

Rodas Vivas: um apresentado pela TV Cultura, outro pelo Youtube.

[fotos Reprodução TV Cultura/Reprodução Youtube]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s