UM MINUTO DE SILÊNCIO

Sei o quanto é difícil fechar a primeira página de um jornal.Tive essa experiência no Estadão e lembro-me perfeitamente da aflição de balancear as noticias mais importantes, as fotos, cada título, cada legenda. Existe um padrão e é difícil sair dele. Claro que às vezes, fogem à rega com uma bossa aqui, outra ali. Aumenta uma foto, um título que ganha as seis colunas, uma sacada engraçadinha. Não e fácil. O jornal francês Libération, que acompanho desde os idos de 1968, é um exemplo de ousadia. Corre a boca pequena na redação do Libé, como é conhecido, que os jornalistas ainda guardam na cabeça aquele ditado do seu fundador, Serge July: “Em time que está vencendo é que a gente mexe”. No Brasil temos a capa do popular e carioca Meia-Hora que muitas vezes arranca gargalhadas pelo deboche, pelo trocadilho, pela ousadia. Nos últimos dias, o jornal Estado de Minas tem caprichado na criatividade, fato até mesmo copiado tal e qual por revistas menos escrupulosas. No domingo (10), o jornal O Globo resolveu ousar. Esqueceu o padrão gráfico para dar lugar a um lamento em forma de nomes e número: 10 mil mortos pelo coronavírus. Capa que vai entrar para a história do Jornalismo.

[foto Reprodução]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s