O SOL DE SEXTA-FEIRA

Imagine a cara do senador Chico Rodrigues ao deparar com essa manchetona no principal jornal do país

Cadê o André do Rap?

Com pequenas chamadas nas primeiras páginas, o governo vai liquidando o Brasil

Todos os animais, inclusive os humanos, estão correndo risco neste país

O que mais tem chamado atenção no candidato a prefeito de São Paulo, Celso Russomano, é o seu cabelo acaju

O Estadão sempre teve uma queda (no bom sentido) pelos tucanos

É aquela velha história: Devo não nego, pago quando puder.

Incrível! O que preocupa é a economia

Vinte e um, incluindo André do Rap. Que fique claro.

O vexame do senador Chico Rodrigues em letras garrafais

Mesmo assim, ainda são muito caros. Na Suécia, quanto mais idoso, mais barato é o plano de saúde. No Brasil, é o contrário.

Preste atenção! Se o Boulos crescer, a grande imprensa vai entrar em ação

Na foto em destaque na primeira página, o distanciamento social dos candidatos à presidência dos Estados Unidos. Cada um num canal de TV, na mesma hora.

••••••••••

••••••••••

Na capa da Carta Capital que começa a circular hoje, a fome de mais de 10 milhões de brasileiros. Na capa da Veja, Andre do Rap, o foragido.

Visto no Horário Político na TV

••••••••••

••••••••••

Na capa da britânica The Economist, os direitos humanos correndo risco no mundo inteiro

A revista semanal francesa de informação L’Obs, já faz previsões de um mundo mais leve, um mundo sem Donald Trump

••••••••••

O Jornal Nacional exibir cada ministro justificando o seu voto depois do julgamento do 9 a 1, é o equivalente a um juiz de futebol dissertar uns cinco minutos sobre cada gol daquele 7 a 1. Insuportável!

A moda pegou e se espalhou. Os telejornais agora são escritos

A imagem mais bizarra do dia foi o cenário da repórter e comentarista da Globo, Andrea Sadi, em seu home office. Quem será que teve essa ideia luminosa? Visto no Jornal Hoje.

••••••••••

Sem sutilezas e de um jeito interessante, a minissérie “We are who we are” (HBO) acompanha, em 8 episódios, a transição da adolescência para a vida adulta de meninos e meninas que vivem na base americana de Chioggia, perto de Veneza. A história gira em torno de Fraser (Jack Dylan Grazer), garoto de Nova York que se muda para lá com a mãe, Chloë Sevigny – casada com Alice Braga – quando ela assume o comando da base. Esquisito aos olhos conservadores dos moradores do lugar, Fraser encontra cumplicidade na vizinha Caitlin e juntos vivem as buscas e dúvidas sobre amores, sexualidade, pais e amigos. “We are who we are” é a primeira experiência do diretor italiano Luca Guadagnino na TV. Quem assistiu seu longa “Me chame pelo seu nome” (2017) vai perceber seu jeito nos episódios da minissérie, que já tem 5 episódios no ar.

[Annamaria Marchesini, especial para o SOL]

••••••••••

••••••••••

••••••••••

••••••••••

••••••••••

••••••••••

••••••••••

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s