FIM DE SEMANA

_______________________________________________________________________________________________________________

________________________________________________________________________________________________________

São Paulo tem dessas coisas. De repente, aparece uma grande cantora, grava um disco, fica quietinha no seu canto, estrela solitária. Não vira popstar mas é cultivada por poucos, talvez entendidos. É o caso de Regina Machado e o seu CD Multiplica-se Única, onde interpreta de maneira singular, nove canções de Tom Zé, de quem já foi vocalista. Ouça .

________________________________________________________________________________________________________

O desgosto com o gestor de São Paulo é grande. Ele abandonou completamente as ciclovias do governo anterior, talvez por birra. Enquanto elas vão sumindo na poeira e na sujeira da cidade, leia o livro Eu sou a mudança. Altamente recomendável ao gestor.

__________________________________________________________________________________________________________

De tempos em tempos, as revistas francesas mudam de cara. Mudam o formato, o logotipo, o conteúdo, sempre acrescentando, nunca diminuindo. É o caso da revista semanal de cultura Les Inrockuptibles, que mudou essa semana. Pra melhor.

_______________________________________________________________________________________________________

Janelas de Havana

[foto Alberto Villas]

_________________________________________________________________________________________________________

Sigmund Freud e Carl Jung ao sair da sauna, 1907

______________________________________________________________________________________________________________

Anos 1960

___________________________________________________________________________________________________________

00

 

 

 

 

 

FIM DE SEMANA

__________________________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________________________

Em 1973, quando Raul Seixas lançou o seu primeiro disco solo – Krig-Ha-Bangolo! – Caetano Veloso, em entrevista ao semanário Opinião disse: “Esse disco do Raulzito é máximo”. Raul expunha ali por inteiro, de corpo e alma. O disco é cheio de letras curiosas, um balançar de coreto ainda em tempos sombrios de ditadura. Krig-Ha-Bandolo! virou um clássico e, 44 anos depois está voltando às lojas de discos em formato vinil, sem tirar nem por nada da edição original. Ouça.

__________________________________________________________________________________________________

      

Quarenta e cinco anos depois de ter feito seu autorretrato para a capa de seu disco solo O último dia do resto da nossa vida, Rita Lee voltou a se refazer para a capa do livro Drops, que está sendo publicado pela Editora Globo. Depois do sucesso de sua auto biografia, menos de um ano depois ela lança um livro de contos que é a sua cara. Uma mistura de sonhos, realidade, curtições e ficção. Diversão garantida.

__________________________________________________________________________________________________

Em meados dos anos 1970, o Brasil tinha várias revistas de literatura. Ficção, José, Inéditos, O Saco e Escrita. Escrita marcou época, revelando novos autores e fazendo bonito com artigos de peso sobre a nossa literatura. Deixou saudade.

__________________________________________________________________________________________________

LENIN, BRANCO DE NEVE

São Petersburgo

[foto Maria Turchenkova]

_________________________________________________________________________________________________

NOS TEMPOS DA CENSURA

Cálice, de Chico e Gil, censurada

[1973]

________________________________________________________________________________________________

[Anos 1970]

__________________________________________________________________________________________________

 

 

FIM DE SEMANA

_________________________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________________________

Lançado em 1973, Quem é Quem, de João Donato, que completou 83 anos esta semana, é considerado até hoje como sendo o seu Sgt. Pepper’s. Um disco que abriu caminho para uma carreira discreta mas sólida e impecável. Quem é Quem está sendo relançado em formato vinil, o que tem acontecido com vários Sgt. Pepper’s da música popular brasileira. Ouça!

__________________________________________________________________________________________________

Treze meses dentro da TV, de Adriano Silva, é um livro surpreendente por ir contra a maré para contar uma história de fracasso. O jovem Adriano Silva, que tinha uma carreira promissora dentro da Editora Abril – era diretor do núcleo de revistas jovens – resolveu ir pra televisão. Para entender, criar e fazer, o que sempre foi seu forte. Acertou sua ida para a Rede Globo em 2006 e, animado, mudou-se de mala e cuia para a cidade conhecida como maravilhosa. Adriano assumiu o cargo de Chefe de Redação do Fantástico e foi à luta. Cheio de ideias, ele chegou e encontrou um gigante meio adormecido, em queda vertiginosa no Ibope, mais precisamente de 40 pontos para 32 pontos. Mas, como diria o poeta Carlos Drummond de Andrade, cuja morte completou trinta anos esta semana, havia uma pedra no caminho. Mais precisamente, algumas pedras. Nos treze meses que passou no Rio, ele fez das tripas coração para sacudir o gigante meio adormecido, principalmente acordar gente instalada há anos na zona de conforto. Adriano chegou para criar, para sacudir o coreto na expectativa de melhorar o programa e não conseguiu. Usando uma palavra bem adequada, ele foi fritado. E um dia, mais precisamente treze meses depois, foi chamado na sala da direção do programa e comunicado que estava demitido. Sem direito a resposta. Perplexo, Adriano tentou entender o que aconteceu e, com boa memória, reconstitui o “crime” no livro que está chegando às livrarias essa semana. O bom do livro é que ele dá nome aos bois e aponta caminhos para aqueles que estão começando na carreira, não cometerem os erros que ele cometeu. E ele explica um a um. Um livro altamente recomendável. Apenas uma última informação: O programa que ele pegou – mais ou menos em crise – com um Ibope de 32 pontos, hoje tem uma média de 22, isto é, dez pontos a menos. Para quem conhece os bastidores de TV, fica claro que o problema do Fantástico não era Adriano Silva.

_________________________________________________________________________________________________

Uma das revistas mais bacanas de jazz, a francesa Jazz Magazine se curva ao psicodelismo dos Beatles de 1967 e consagra seu número de agosto aos cinquenta anos do lançamento de um dos discos mais importantes – se não o mais importante – do século.

__________________________________________________________________________________________________

ESTÁTUA VIVA

Las Ramblas, Barcelona

[foto Alberto Villas]

__________________________________________________________________________________________________

A turma do Caderno 2 do Estadão, em abril de 1986, mês em que o caderno foi lançado. No círculo vermelho, Álvaro de Moya, um dos maiores especialistas em quadrinhos do país, morto esta semana.

[foto Juvenal Pereira]

__________________________________________________________________________________________________

[Anos 1960]

__________________________________________________________________________________________________

 

 

 

FIM DE SEMANA

__________________________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________________________

Para quem é dos Beatles e dos Rolling Stones, depois de comemorar os cinquenta anos do Sgt Peppers, chegou a hora de comemorar meio século do primeiro disco do Pink Floyd. Psicodelismo puro.  Ouça!

__________________________________________________________________________________________________

Não se trata de um livro oportunista. Apenas um rapaz latino-americano vinha sendo escrito pelo jornalista Jotabê Medeiros, um dos mais respeitados do país, há algum tempo. Apenas foi atropelado pela morte inesperada do cantor e compositor cearense. Vida e obra de Belchior, com a pluma de Jotabê Medeiros, que dispensa comentários.

__________________________________________________________________________________________________

Durante o ano de 1972, bichos grilos capitaneados por Luis Carlos Maciel, publicaram, no Brasil, uma edição tupiniquim do então tabloide americano Rolling Stone. Vivíamos o auge do hipismo, do psicodelismo e o sonho ainda não tinha acabado. O material reunido na coleção completa é raro e histórico. Viva o underground!

__________________________________________________________________________________________________

EGGS

Supermercado em Londres

[foto Alberto Villas]

__________________________________________________________________________________________________

O escritor Wander Priori engraxando sapatos no centro de Belo Horizonte

1988

[foto Fernando Rabelo]

__________________________________________________________________________________________________

[Anos 1970]

__________________________________________________________________________________________________

FIM DE SEMANA

_____________________________________________________________________________________________________

_____________________________________________________________________________________________________

O novo disco do cantor e compositor Otto é um alento para a verdadeira música popular brasileira que andava meio devagar nos últimos tempos. Ouça e depois me diga.

_____________________________________________________________________________________________________

Oswaldo Aranha foi político, diplomata, ministro de Getúlio Vargas e capa da revista Time. Mas ficou conhecido do grande público, principalmente, por ter virado nome de filé nos restaurantes e por uma frase: “O Brasil é um deserto de homens e idéias”. Mas se você quiser saber que foi Oswaldo Aranha por inteiro, o livro de Pedro Corrêa do Lago é a dica. São 600 depoimentos e 500 imagens que contam sua história, de A a Z.

_____________________________________________________________________________________________________

Um número excepcional comemora os 50 anos do Suplemento Literário do Minas Gerais. Motivo para bater palmas e estourar Champagne.

_____________________________________________________________________________________________________

AVENIDA PAULISTA

Um detalhe de Alberto Villas

_____________________________________________________________________________________________________

[1983]

_____________________________________________________________________________________________________

[Anos 1970]

_____________________________________________________________________________________________________

FIM DE SEMANA

_____________________________________________________________________________________________________

_____________________________________________________________________________________________________

Está chegando às lojas, em versão CD, o primeiro disco de um dos mais enigmáticos compositores da música popular brasileira, Geraldo Vandré. O disco, de 1964, mostra um Vandré passeando pela bossa nova, com canções já primorosas como Canção Nordestina, Fica Mal com Deus e Pequeno Concerto que Virou Canção. Uma obra-prima para colecionadores.

_____________________________________________________________________________________________________

Escrito por Kate Schatz e ilustrado por Miriam Klein Stahl, Mulheres Incríveis traça pequenos perfis de 44 mulheres que, como diz o título, são ou foram incríveis. Mulheres dos quatro cantos do mundo. Do Brasil, temos Elza Soares, a jogadora Marta, Debora Diniz, Maria da Penha e Sonia Bone Guajajara. O leitor vai encontrar nomes conhecidos como Frida Khalo e Miriam Makeba, mas nomes tão estranhos como Wangari Maathai ou Buffy Sainte-Marie. Mas todas com um ponto em comum: A força.

_____________________________________________________________________________________________________

Publicada na França nos anos 1970, Le Foi Parle não teve uma vida tão longa quanto merecida. Uma revista de arte e humor, com textos primorosos.

_____________________________________________________________________________________________________

BURRO N’ÁGUA

São Miguel dos Milagres, Alagoas

[foto Alberto Villas]

_____________________________________________________________________________________________________

Era um tempo em que o presidente da República convidava um cantor norte-americano do porte de Louis Armstrong para uma festa. O encontro com Pixinguinha se deu no dia 27 de novembro de 1957, no Palácio das Laranjeiras, no Rio, onde morava JK. A festa não tinha hora pra terminar.

[autor da foto não identificado]

___________________________________________________________________________________________________

[Anos 1950]

_____________________________________________________________________________________________________

 

 

 

 

 

 

FIM DE SEMANA

_____________________________________________________________________________________________________

_____________________________________________________________________________________________________

Em 1972, o Clube da Esquina estava engatinhando, pronto pra andar com as próprias pernas, quando o mineiro Lô Borges lançou o seu primeiro disco, conhecido como “o disco do tênis”. Quarenta e cinco anos depois, o disco volta ao mercado em formato vinil, com todo o capricho que ele merece. Ouça.

_____________________________________________________________________________________________________

Para comemorar os cinquenta anos do lançamento do disco pop mais emblemático do século, volta às livrarias o livro Paz, Amor e Sgt Pepper, de George Martin, considerado o quinto Beatle. Um passeio completo pela história dessa obra-prima.

_____________________________________________________________________________________________________

Depois de treze números, a edição brasileira da prestigiosa revista de literatura Granta, encerrou suas atividades. Mas uma boa notícia nos chega. A partir do ano que vem, a Granta Brasil volta às livrarias, depois de se unir com a edição portuguesa. Ela vai voltar – para nossa felicidade – com o nome de Granta em português, numa edição única para o Brasil e Portugal.

_____________________________________________________________________________________________________

O DESCASCADOR DE MANDIOCAS

Mercado Ver-o-Peso, Belém. PA

[foto Alberto Villas]

_____________________________________________________________________________________________________

OS BUARQUE DE HOLLANDA

[autor não identificado]

______________________________________________________________________________________________________

[Anos 40]

_____________________________________________________________________________________________________

 

 

FIM DE SEMANA

_____________________________________________________________________________________________________

_____________________________________________________________________________________________________

Aos poucos, em doses homeopáticas, Yoko Ono vai recolocando nas lojas de disco que ainda existem, a versão em vinil de cada um de seus inúmeros discos. Corria o ano de 1971, os Beatles separados de pouco tempo, quando ela lançou o álbum Fly, cheio de experiências e doces canções. Ouça Mr. Lennon.

____________________________________________________________________________________________________

Para entender a injustiça que estão cometendo com o ex-presidente Lula, o livro é este. Cinco Mil Dias, organizado por Gilberto Maringoni e Juliano Medeiros. Depoimentos de mais de cinquenta personalidades,  entre acadêmicos, lideranças políticas e ativistas sociais, o livro é uma verdadeira aula de história contemporânea.

_________________________________________________________________________________________________________

Entre outubro de 1966 e agosto de 1971, a extinta Editora Efecê colocou nas bancas do Brasil uma revista “para homens” chamada FairPlay. Vendida dentro de um saco plástico opaco por determinação da censura militar, a revista que era considerada uma “revista de mulher pelada” tinha textos de Nelson Rodrigues, Millôr Fernandes, Ruy Castro, Vinícius de Moraes e daí pra frente. Acabou fechando por força da ditadura militar e deixou saudade.

_______________________________________________________________________________________________________________

REFLEXO DE GIRONA

[foto Alberto Villas]

__________________________________________________________________________________________________________

[1980]

___________________________________________________________________________________________________________

[1955]

_________________________________________________________________________________________________________

 

FIM DE SEMANA

______________________________________________________________________________________________________

_____________________________________________________________________________________________________

Um pocket-show gravado na Casa de Francisca, em São Paulo, virou um grande disco de Cida Moreira: Soledade Solo. Músicas que vão de Milton Nascimento a Chico Buarque, de Belchior a Kurt Weill. Destaque para uma interpretação contundente de Cajuína. Existirmos, a que será que se destina?

_____________________________________________________________________________________________________

Os livrinhos da Coleção Memória e História, da Companhia das Letrinhas, são todos eles maravilhosos. Essa semana, a dica é Tomie: Cerejeiras na Noite, as memórias da nossa artista maior e eterna, Tomie Ohtake, escritas por Ana Miranda.

_____________________________________________________________________________________________________

No início dos anos 1970, uma revista que nasceu como porta-voz do supermercado Pão de Açúcar, focado em São Paulo, partiu pra carreira solo e foi um grande sucesso no mundo alternativo. A revista era pura criatividade e, a cada quinze dias, dava o tom da cidade: São Paulo está escorregando no tobogã, está descobrindo a comida japonesa, está em festa ou rebolando, feliz da vida. A Bondinho era tudo.

_____________________________________________________________________________________________________

FOI UM RIO QUE PASSOU NA MINHA VIDA

Belém, Pará

[foto Alberto Villas]

____________________________________________________________________________________________________

Nos anos 1960, a música popular brasileira, viveu um de seus momentos mais áureos. A Realidade, revista mensal de reportagens da Editora Abril, reuniu alguns dos bambas para uma foto de capa. Saudade da Realidade e da música popular brasileira.

_____________________________________________________________________________________________________

[Anos 1960]

_____________________________________________________________________________________________________

FIM DE SEMANA

___________________________________________________________________________________________________

___________________________________________________________________________________________________

Exodus, gravado em Londres, um dos discos mais brilhantes de Bob Marley, foi lançado em 1977, enquanto o cantor e compositor se recuperava de uma tentativa de assassinato. Para comemorar os quarenta anos de seu lançamento, está saindo uma edição luxuosa e remasterizada pelo filho, Ziggy. Vale a pena ouvir de novo. E sempre.

___________________________________________________________________________________________________

A Editora Record, para comemorar os cinquenta anos do lançamento de Cem anos de solidão, está colocando nas livrarias uma edição primorosa da obra-prima do colombiano Nobel de Literatura, Gabriel García Márquez. Vale a pena ler de novo.

___________________________________________________________________________________________________

Nos anos 1970, no auge do movimento underground, a revista francesa Actual era a bíblia. Ainda é possível encontrar vários números antigos e a preço razoável, no site e-bay.fr. Delírio total.

___________________________________________________________________________________________________

Reflexo de Havana, por Alberto Villas

___________________________________________________________________________________________________

Em julho de 1977, no auge da ditadura brasileira, a revista Veja publicou uma entrevista histórica com o então líder cubano, Fidel Castro. Um furo do jornalista e escritor Fernando Morais.

__________________________________________________________________________________________________

Nos anos 1950, até médico fazia propaganda de cigarro. Aqui, no caso, o Mistura Fina, que era nacionalmente conhecido como “mata-rato”.

___________________________________________________________________________________________________

 

FIM DE SEMANA

__________________________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________________________

 

__________________________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________________________

Paris, por Alberto Villas

__________________________________________________________________________________________________

1969

__________________________________________________________________________________________________

Anos 1950

FIM DE SEMANA

___________________________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________________________

O segundo disco de Luiz Melodia está de volta às lojas em formato CD, numa edição bem mais caprichada que a lançada há duas décadas. Ouça.

__________________________________________________________________________________________________

Uma delícia de livro infanto-juvenil, contando em tom bem pessoal, a saga dos Kucinski.

__________________________________________________________________________________________________

Um luxo de revista. Número dedicado ao artista mexicano  Gabriel Orozco. Inclui uma gravura original dele. Edições em francês e inglês.

__________________________________________________________________________________________________

New York, por Maria Clara Villas

__________________________________________________________________________________________________

Alunos do curso de Medicina da Universidade Federal do Pará.

[via Paulo Cezar Marques/Facebook]

__________________________________________________________________________________________________

O machismo imperando numa publicidade dos anos 1970.

 

 

FIM DE SEMANA

__________________________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________________________

Bar Genial, SP, por Alberto Villas

_________________________________________________________________________________________________

Brasília, 1959, anônimo

__________________________________________________________________________________________________

1960

FIM DE SEMANA

_________________________________________________________________________________________________

________________________________________________________________________________________________

Hoje o samba saiu

_________________________________________________________________________________________________

Tiro e queda

_________________________________________________________________________________________________

Click!

_________________________________________________________________________________________________

Boulevard Sebastopol, Paris, foto de Alberto Villas

________________________________________________________________________________________________

Zé Dirceu rumo ao México, 1969, Arquivo Estadão

________________________________________________________________________________________________

Reprodução Le Monde

 

 

FIM DE SEMANA

_________________________________________________________________________________________________

_________________________________________________________________________________________________

Já nas lojas brasileiras o CD triplo do Prêmio Nobel de Literatura, Bob Dylan. Um curioso passeio por trinta clássicos da música americana. Rodando sem parar.

________________________________________________________________________________________________

Líder da histórica banda Fellini, Cadão Volpato nos brinda com mais um livro. Não são contos, não são ensaios, não são críticas, Os Discos do Crepúsculo são saborosas histórias, todas elas em torno da música. As ilustrações são do autor, um mix de escritor, músico e desenhista de mão cheia.

_________________________________________________________________________________________________

A revista Serrote, publicada pelo Instituto Moreia Sales, é feita para abrir cabeças. Chega ao número 25 mantendo o mesmo ritmo de bons ensaios de quando foi lançada.

_________________________________________________________________________________________________

YOKO E SUA MÃE

[o autor não foi identificado]

_________________________________________________________________________________________________

SEM PERDER A TERNURA

1961, o então presidente Jânio Quadros condecora o líder guerrilheiro Che Guevara, no Palácio da Alvorada

[foto Agência Globo]

_________________________________________________________________________________________________

QUANDO A CARNE ERA FORTE

[Anos 1950]

 

FIM DE SEMANA

__________________________________________________________________________________________

__________________________________________________________________________________________

Lançado no início dos anos 1970, Amazonas, o primeiro disco de Naná Vasconcelos nunca ganhou uma versão em CD, sequer foi relançado um dia. Uma pequena obra prima que só é encontrada em Tóquio. Nem Freud explica. Escuta só.

__________________________________________________________________________________________

Foi preciso Bob Dylan ganhar o Nobel de Literatura para que seus livros voltassem às prateleiras das livrarias brasileiras. É o caso de Tarântula, lançado em 1986 pela Editora Brasiliense e agora relançado pela TusQuets, numa edição caprichosa. O primeiro livro de ficção de Dylan é difícil de ser classificado. Foi escrito nos anos 60 e é um pouco mistura de tudo que vivia nos empolgantes anos 1960.

___________________________________________________________________________________________

Resurgence & Ecologist é uma das revistas britânicas mais elegantes e importes sobre ecologia. No mercado há décadas, batendo na tecla da luta por um mundo melhor.

___________________________________________________________________________________________

[Nem parece São Paulo]

foto de Alberto Villas

__________________________________________________________________________________________

[Beija-Mão às vésperas da derrota]

via Internet

__________________________________________________________________________________________

Acervo Kenzo

FIM DE SEMANA

_______________________________________________________________________________________________

Lançado em 1970, o disco experimental e sem título de Yoko Ono passou desapercebido. Difícil, complicado, não era pra menos. Quase cinquenta anos depois, ele volta às lojas da Europa e dos Estados Unidos, em formato vinil, como veio ao mundo. Experimente.

_______________________________________________________________________________________________

Tinha eu dezessete anos quando a obra-prima de Gabriel García Márquez foi lançada. Li a primeira edição e fiquei maravilhado. Recentemente respondi a uma pesquisa que queria saber qual livro marcou sua vida. Não tive dúvida: Cem Anos de Solidão. No cinquentenário da obra, volto a recomendar a leitura.

_______________________________________________________________________________________________

A revista mensal francesa Jazz Magazine tomou um banho de loja recentemente. É uma pequena enciclopédia do jazz que se renova a cada mês, não somente contando histórias como apontando bons caminhos da música que comemora neste 2017, cem anos.

_______________________________________________________________________________________________

São Paulo, terra da garoa e da chuva forte

[foto Alberto Villas]

_______________________________________________________________________________________________

Muito Prazer

[via Internet]

_______________________________________________________________________________________________

1928