A GRANDE SACADA

Os americanos tem uma espécie de Bolsonaro no poder. A diferença é que o deles fala inglês. A capa já histórica do New York Times com o nome de mil mortos pelo coronavírus, ganhou, no dia seguinte, uma ilustração da besta quadrada deles. É trocadilho: foi uma grande tacada. 

[foto/Reprodução Redes Sociais]

HOME OFFICE

Nesses tempos de home office, captamos na casa da jornalista Julia Duailibi, da GloboNews, um livro extraordinário: Textos Caribenhos – Obra Jornalística 1 (1948-1952), de Gabriel García Marquez, com tradução de Joel Silveira, publicado no Brasil pela Editora Record, em 2006.

[foto/Reprodução GloboNews]

CONFINADAS

A “M”, revista de final de semana do jornal Le Monde, publicou um ensaio fotográfico com 17 fotógrafas confinadas. Escolhemos aqui, cinco fotografias. Veja:

[foto Manna Moon/Seul]

[foto Larissa Hoffman/Londres]

[foto Senta Safond/Londres]

[foto Coco Capitán/Nova York]

[foto Gray Sorrenti/Connecticut]

 

HOME OFFICE

Nesses tempos de home office, captamos na casa do ex-embaixador José Botafogo, dois volumes do livro “Árvores Brasileiras”, um manual de identificação e cultura de plantas arbóreas do Brasil, de Harri Lorenzi. 

[foto Reprodução/TV Globo]

HOME OFFICE

Nesses tempos de home office, captamos na estante do ex-embaixador Roberto Abdenur, durante um depoimento ao Jornal Nacional, o livro “Flash Gordon – Os Proscritos e os Tiranos de Mongo”, um clássico das histórias em quadrinhos. 

[foto Reprodução/TV Globo]

HOME OFFICE

Nesses tempos de home office, captamos na casa do ministro do STF, Luis Roberto Barroso, um box em três volumes, reunindo contos do escritor russo Liev Tolstói (1828-1910), conhecido também como Leon Tolstói, considerado um dos maiores de todos os tempos, publicado pela extinta editora Cosac Naif.

[foto Acervo Pessoal/publicada no Estadão] 

CENÁRIO

Desde que começou a onda de home office, venho publicando aqui no VillasNews, os cenários que os jornalistas, comentaristas, entrevistados escolhem como fundo para expor suas ideias, geralmente livros. Já mostrei o livro sobre o lulismo, na estante de Merval Pereira, a história do Iraque na estante do Guga Chacra, Radical Chique na casa da Leilane, as novelas de Bertold Brecht na casa do Mario Sergio Conti e tantos outros. A Folha, sempre atenta, fez matéria.

Ai veio o Guga Chacra e postou no Twitter os livros que estão na sua estante, revelando sua paixão pelo Oriente Médio.

O cartunista Hubert aproveitou a onda e desenhou na página A2 da Folha, a sua visão sobre o cenário dos trabalhos em casa.

E por fim, como tudo no Brasil acaba em piada, caiu na rede a chacota sobre o assunto.