SEXTANDO

O jornal O Estado de S.Paulo, o Estadão, está anunciando para esta sexta-feira, dia 24, o lançamento de um novo caderno, coisa rara na imprensa escrita brasileira hoje em dia. Vem ai o Sextou! O nome é bom, um caderno para celebrar o fim de semana que se aproxima. Mas, na verdade, está eliminando três: Paladar, Divirta-se e Casa. O jornal resolveu unir os três em um só produto. Resta saber se o volume de conteúdo será mantido ou se vamos encontrar apenas um resumo dos cadernos que deixam de circular. Algum tempo atrás, a Folha eliminou a Folhinha, justificando que ela seria incorporada à revista São Paulo. O que vimos foi uma micro coluna que intitularam Folhinha. Pouco tempo depois, a revista morreu, ou melhor, foi descontinuada. Essa é a palavra do momento. 

[foto Reprodução]

AQUELE ABRAÇO!

Qualquer tipo de protesto é válido, faz parte da democracia. O jornal O Globo é especialista em publicar, na sua primeira página, protestos pacíficos como, esta semana, o abraço ao museu MAR, que anda ruim das pernas. Já tivemos abraços a lagoas, prédios ameaçados de demolição, uma árvore de jacarandá ameaçada de vir abaixo, já vimos antas na Esplanada dos Ministérios, já vimos velas, lenços brancos, cruzes. VillasNews fica aqui torcendo para que esses protestos não passem de uma foto na primeira página de O Globo. Vamos salvar o MAR!

[fotos Reprodução]

 

FEIURA PURA

Caminhando para os cem anos, a revista semanal norte-americana The New Yorker é um colírio para os olhos e fósforo para o cérebro. Suas capas celas, revezando os maiores ilustradores do mundo, são uma marca registrada. Puro bom gosto, inteligência pura. A cada semana, uma surpresa. Fundada em 1925, foi rara a capa da New Yorker que deixava dúvidas quanto ao bom gosto. Mas essa semana, por incrível que pareça, a charmosa New Yorker chegou às bancas com uma capa feia, talvez a mais feia de sua longa história. A edição especial Food errou a mão, saiu completamente do padrão New Yorker. Será que todos acharam a capa da New Yorker, o desenho de Wayne Thiebaud, medonho?

DESCULPA

Espero ansiosamente pintar na telinha numa noite qualquer, numa dessas matérias comemorando os 50 anos do Jornal Nacional, o dia em que Cid Moreira leu o direito de resposta do governador Leonel Brizola. Espero ansiosamente uma reportagem sobre o pedido de desculpas das Organizações Globo, cinquenta anos depois, por ter apoiado o golpe militar de 1964. Espero ansiosamente uma reportagem que mostre como foi feita a manipulação e a edição do último debate entre Fernando Collor e Luiz Inácio Lula da Silva. Espero ansiosamente uma reportagem mostrando como a emissora tomou partido contra Lula e o acusou de ser dono de um barquinho de alumínio estacionado no sítio de Atibaia. Espero ansiosamente uma reportagem mostrando como a emissora, com flashes desde as 7 horas da manhã, incentivou a população a ir para as ruas e derrubar a presidenta Dilma, eleita democraticamente. Espero ansiosamente. [AV]