O PRIMEIRO SOL DO ANO NOVO

Estamos ainda no primeiro dia do ano. Uma manchete para ler e guardar.

Mesmo assim foi reeleito pelos paulistanos

A primeira notícia negativa do ano para os paulistas, vinda do governo de João Doria

Resumindo: o perigo já está morando ao nosso lado

Na foto em destaque na primeira página, o isolamento social dos idosos. Literalmente.

Na segunda foto em destaque, as comemorações com a chegada de um novo ano no palco onde a pandemia começou

O cartum de Claudio Mor, na página A2

Feliz 2031!

Os novos e velhos prefeitos com um problemão pela frente

Na foto em destaque na primeira página, um réveillon no litoral paulista que não se via há décadas

Perguntamos: qual é o projeto do governo para diminuir a pobreza?

Cepa: mais uma palavra para o Pequeno Dicionário da Pandemia

Lembrando que o ministro da Saúde é um especialista em logística

Na foto em destaque na primeira página, uma cena raríssima: Copacabana sem fogos pipocando no céu da Cidade Maravilhosa na primeira edição do ano de O Globo

O segundo número da nova revista Elle continua esbanjando luxo. Com quatro capas diferentes, destacamos a entrevista com Patti Smith, uma das capas, uma das musas da literatura e do punk rock.

 

O jornal francês Libération dá o alerta: a esquerda ainda está se agarrando muito a seus mitos

A revista do fim de semana do jornal espanhol El País elege a Ciência como o grande acontecimento do ano que terminou

A edição especial de janeiro da National Geographic France mostra as fotos mais marcantes de um ano absolutamente fora do comum. A começar pela capa, com os noivos usando máscaras.

Na capa da El Viejo Topo, revista mensal espanhola, que diabo é esse tal de Qanon, uma extrema-direta que incomoda

Para ler, acesse o site de O Partisano

A PRIMEIRA IMAGEM DO ANO NOVO

Meia-noite em ponto (horário de Pyongyang), a GloboNews mostrou, ao vivo, a chegada de 2021 na Coréia do Norte, um dos países mais fechados do mundo. Hasteamento da bandeira, queima de fogos e muita gente nas ruas saudando o ano novo.

NOTA 10 PARA UM ANO NOTA 0

A retrospectiva do ano de 2020, apresentada pela TV Globo na noite de quarta-feira (29/12) cumpriu o seu papel. Não deve ter sido nada fácil reunir e editar notícias tão estranhas de um ano tão atípico. Nada ficou esquecido. O Ibope foi baixo para o programa (16.7), talvez pelo medo das pessoas em rever o que passamos. Destoou as bolinhas coloridas da vinheta. Não conseguimos entender a que vieram.

Algumas previsões para o ano novo, na coluna de Patricia Kogut, no Globo

Sim, falamos do jornalista de direita Augusto Nunes, palpiteiro do programa Pingos nos Is, da rádio Jovem Pan de São Paulo. Prometemos não falar mais dele e de suas opiniões incansáveis em favor do desgoverno atual. Não falaremos mais de Augusto Nunes, nem que ele seja oficializado como porta-voz de Jair Messias Bolsonaro. Vamos poupar nossos leitores.

O Sol hoje foi saber como está a temperatura em Daca, capital de Bangladesh

Estamos ouvindo Patti Smith cantando Oh, Yoko! E convidamos você para começar o ano assim.

Gabriel Garcia Márquez começou a escrever O Veneno da Madrugada em 1956, aos 29 anos, numa Paris abaixo de zero. Era para ser apenas um conto, que foi crescendo e virou um livro com a grandeza de um Garcia Márquez. O Veneno da Madrugada foi relançado recentemente pela Record.